Postado em 24 de Maio de 2016 às 16h51

    Bate papo com o Psicólogo

    Gerais (42)
    1. Psicólogo é médico de “louco?”
    Não. O psicólogo atende pessoas que num determinado momento de suas vidas, sentem-se confusos, com dúvidas a respeito de questões como trabalho, amor, vida familiar, relacionamentos afetivos e etc., e que com o auxílio deste profissional busca encontrar sua estabilidade emocional. O que não significa loucura e sim a possibilidade de autoconhecimento.
    2. Qual a diferença entre psiquiatra e psicólogo?
    O psiquiatra é um médico especializado em transtornos mentais (esquizofrenia, transtornos de humor, depressão, pânico e etc.), que se utiliza da prescrição de medicamentos para atenuar esses transtornos. O psicólogo não é um médico, portanto, não receita nenhum tipo de medicamento e o objetivo de seu trabalho é facilitar a compreensão e entendimento que cada pessoa tem a seu próprio respeito, promovendo assim, maior consciência pessoal e sobre todas as relações mantidas pelo individuo, bem como, sua mudança de comportamento. Em alguns momentos faz-se necessário um trabalho em conjunto destes profissionais visando o bem estar do cliente.
    3. O que é o que se faz numa psicoterapia?
    Psicoterapia é um processo que consiste em favorecer o auto-conhecimento, reconhecer em si qualidades e possibilidades, perceber seus desejos e necessidades e ver a melhor forma de lidar com eles, bem como perceber defeitos e problemas e buscar suas soluções. O processo psicoterapêutico é realizado, geralmente, uma vez por semana, com duração de50 minutos a  01 (uma) hora na qual psicólogo e cliente irão discutir sobre as questões eleitas importantes para o cliente e que o fazem sofrer. 
    4. O psicólogo “muda a minha cabeça?”
    Não, não é o psicólogo que muda a sua cabeça, mas você que reflete a respeito das questões discutidas e se for necessário e aceito por você poderão ocorrer mudanças. O papel do psicólogo não é de “fazer a cabeça” das pessoas e sim aceita-las sem julgamentos, preconceitos e ajudá-las a atingir seus objetivos pessoais independentemente em que área da vida (trabalho, relacionamentos, amizade, sexualidade etc.).
    5. Qual é a duração de uma Psicoterapia?
    Não há como determinar precisamente a duração, depende da necessidade de cada cliente, pois como já dissemos a psicoterapia é um processo e cada pessoa vai atingir seus objetivos no “seu tempo”.
    6. O que são terapias alternativas ? Tem alguma relação com a Psicologia?
    São todas as práticas não reconhecidas cientificamente e que não tem comprovação de sua eficácia, dependendo em muito da crença pessoal. Nestas incluem-se: florais de Bach, regressão de vidas passadas, aromaterapia, cromoterapia, parapsicologia, runas, tarô e etc. Estas práticas não podem ser exercidas por um psicólogo e o Conselho Federal de Psicologia proíbe legalmente, podendo o profissional perder seu direito de exercer a profissão. Não é o objetivo da Psicologia denegrir estas práticas, somente elas não tem relação com a Ciência.
    7. O psicólogo pode mudar a orientação sexual de alguém?
    De forma alguma. Assim como não é possível mudar definitivamente nenhuma característica física (altura, cor de pele, olhos e etc.). Inclusive existem maus profissionais promovendo “tratamentos” para a homossexualidade, como se esta característica pessoal fosse de fato uma doença. Esses profissionais devem ser denunciados ao Conselho Regional de Psicologia, pois existe também lei que proíbe a inclusão de práticas discriminatórias com relação à orientação sexual.
    8. Como faço para escolher um psicólogo?
    Ao fazer essa escolha deve-se levar em consideração o fato de sentir-se à vontade com esse profissional, sentir confiança e credibilidade em seu trabalho. Como para a escolha de qualquer outro profissional, importante buscar referências e também saber sobre a formação do profissional.
    9. Todo psicólogo trabalha da mesma forma?
    Cada profissional tem a sua linha de trabalho que vem a ser a sua identidade, isto é, a maneira que acredita ser a mais adequada e que atende às necessidades daquela pessoa que procura por sua orientação. Como alguns exemplos podemos citar: Psicanálise, Cognitiva, Comportamental, Gestalt-Terapia, Reichiana, Junguiana, Winnicotiana, Fenomenologia, Existencialismo, Sistêmica,  dentre outras.
    10. Como é a relação psicólogo-cliente?
    A relação é construída tendo como base a honestidade, franqueza, confiança, diálogo aberto e sem julgamentos e preconceitos e afetividade. Ela difere de uma relação de amizade pois existem objetivos profissionais. O psicólogo não tem fórmulas mágicas, a relação vai crescendo com o trabalho do paciente e profissional, com auxílio e respeito.
     
    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Seu ciúme é normal?24/05/16 Algum nível de ciúmes é necessário em todo relacionamento. Todos nós, alguma vez, já o sentimos. As pessoas costumam dizer que o ciúmes é o tempero do amor, aquela pitada que o incrementa, mostrando que o interesse de um pelo outro permanece aceso. A presença de ciúmes é saudável nas relações amorosas. O ciúmes......
    Casamento antecipado por gravidez, você precisa estar atento!24/05/16 A chegada de um filho na vida de qualquer casal causa um grande impacto e muda o sistema, imagine na vida de uma casal que nem teve tempo de solidificar a vida conjugal. É preciso ter muito cuidado para que a relação não se perca......
    Você é um dependente afetivo?24/05/16 Há pessoas que se arrepiam só com a possibilidade de ficar dependente de alguém ou alguma coisa, passam a vida lutando contra isso, e algumas vezes tornam-se onipotentes, distantes e sós. E há pessoas que tremem apenas com a......

    Voltar para Blog