Postado em 24 de Maio de 2016 às 16h51

    Bate papo com o Psicólogo

    Gerais (41)
    1. Psicólogo é médico de “louco?”
    Não. O psicólogo atende pessoas que num determinado momento de suas vidas, sentem-se confusos, com dúvidas a respeito de questões como trabalho, amor, vida familiar, relacionamentos afetivos e etc., e que com o auxílio deste profissional busca encontrar sua estabilidade emocional. O que não significa loucura e sim a possibilidade de autoconhecimento.
    2. Qual a diferença entre psiquiatra e psicólogo?
    O psiquiatra é um médico especializado em transtornos mentais (esquizofrenia, transtornos de humor, depressão, pânico e etc.), que se utiliza da prescrição de medicamentos para atenuar esses transtornos. O psicólogo não é um médico, portanto, não receita nenhum tipo de medicamento e o objetivo de seu trabalho é facilitar a compreensão e entendimento que cada pessoa tem a seu próprio respeito, promovendo assim, maior consciência pessoal e sobre todas as relações mantidas pelo individuo, bem como, sua mudança de comportamento. Em alguns momentos faz-se necessário um trabalho em conjunto destes profissionais visando o bem estar do cliente.
    3. O que é o que se faz numa psicoterapia?
    Psicoterapia é um processo que consiste em favorecer o auto-conhecimento, reconhecer em si qualidades e possibilidades, perceber seus desejos e necessidades e ver a melhor forma de lidar com eles, bem como perceber defeitos e problemas e buscar suas soluções. O processo psicoterapêutico é realizado, geralmente, uma vez por semana, com duração de50 minutos a  01 (uma) hora na qual psicólogo e cliente irão discutir sobre as questões eleitas importantes para o cliente e que o fazem sofrer. 
    4. O psicólogo “muda a minha cabeça?”
    Não, não é o psicólogo que muda a sua cabeça, mas você que reflete a respeito das questões discutidas e se for necessário e aceito por você poderão ocorrer mudanças. O papel do psicólogo não é de “fazer a cabeça” das pessoas e sim aceita-las sem julgamentos, preconceitos e ajudá-las a atingir seus objetivos pessoais independentemente em que área da vida (trabalho, relacionamentos, amizade, sexualidade etc.).
    5. Qual é a duração de uma Psicoterapia?
    Não há como determinar precisamente a duração, depende da necessidade de cada cliente, pois como já dissemos a psicoterapia é um processo e cada pessoa vai atingir seus objetivos no “seu tempo”.
    6. O que são terapias alternativas ? Tem alguma relação com a Psicologia?
    São todas as práticas não reconhecidas cientificamente e que não tem comprovação de sua eficácia, dependendo em muito da crença pessoal. Nestas incluem-se: florais de Bach, regressão de vidas passadas, aromaterapia, cromoterapia, parapsicologia, runas, tarô e etc. Estas práticas não podem ser exercidas por um psicólogo e o Conselho Federal de Psicologia proíbe legalmente, podendo o profissional perder seu direito de exercer a profissão. Não é o objetivo da Psicologia denegrir estas práticas, somente elas não tem relação com a Ciência.
    7. O psicólogo pode mudar a orientação sexual de alguém?
    De forma alguma. Assim como não é possível mudar definitivamente nenhuma característica física (altura, cor de pele, olhos e etc.). Inclusive existem maus profissionais promovendo “tratamentos” para a homossexualidade, como se esta característica pessoal fosse de fato uma doença. Esses profissionais devem ser denunciados ao Conselho Regional de Psicologia, pois existe também lei que proíbe a inclusão de práticas discriminatórias com relação à orientação sexual.
    8. Como faço para escolher um psicólogo?
    Ao fazer essa escolha deve-se levar em consideração o fato de sentir-se à vontade com esse profissional, sentir confiança e credibilidade em seu trabalho. Como para a escolha de qualquer outro profissional, importante buscar referências e também saber sobre a formação do profissional.
    9. Todo psicólogo trabalha da mesma forma?
    Cada profissional tem a sua linha de trabalho que vem a ser a sua identidade, isto é, a maneira que acredita ser a mais adequada e que atende às necessidades daquela pessoa que procura por sua orientação. Como alguns exemplos podemos citar: Psicanálise, Cognitiva, Comportamental, Gestalt-Terapia, Reichiana, Junguiana, Winnicotiana, Fenomenologia, Existencialismo, Sistêmica,  dentre outras.
    10. Como é a relação psicólogo-cliente?
    A relação é construída tendo como base a honestidade, franqueza, confiança, diálogo aberto e sem julgamentos e preconceitos e afetividade. Ela difere de uma relação de amizade pois existem objetivos profissionais. O psicólogo não tem fórmulas mágicas, a relação vai crescendo com o trabalho do paciente e profissional, com auxílio e respeito.
     
    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Perdendo alguém que amamos24/05/16 A dor é suportável quando conseguimos acreditar que ela terá um fim e não quando fingimos que ela não existe.´ (A. B. Campbell) Primeiramente, quero abordar alguns mitos sobre o luto, que dificultam uma compreensão clara a respeito dessa experiência tão humana e universal. São os que seguem: 1. Luto e pesar são uma mesma......
    O que vem depois do "sim" no altar?23/05/16 Dificilmente encontraremos uma mulher que quando menina e brincando de boneca não sonhou em ter uma família, com marido, filhos...dificilmente encontraremos um homem, que quando menino em suas primeiras paixões, não desejou que......
    Como nos adaptamos às mudanças?24/05/16 Conversando com um casal de idosos e ouvindo suas histórias, fiquei pensando nos inúmeros desconfortos que temos nos dias de hoje. Eles gostam muito de nos relatar as suas dificuldades, que eram realmente muitas. No entanto,quase todas elas......

    Voltar para Blog