Postado em 24 de Maio de 2016 às 14h55

    Reacendendo a chama sexual depois dos filhos

    Sexualidade (13)

    Antes de nos tornarmos mães e pais, muitos de nós ouvimos longos discursos a respeito das alterações que ocorrem em nossas vidas depois do nascimento dos filhos. Mas como a teoria é muito diferente da prática, antes de viver a experiência na pele fica difícil sequer imaginar a extensão destas mudanças. Noites e noites mal dormidas, refeições interrompidas por choros estridentes, preocupações das mais variadas com o bem-estar do bebê caem como um míssil no cotidiano do casal.
    Sem falar, é claro, no maldito espelho. É um choque deparar-se com um corpo que parece pertencer a outra pessoa. Além desses fatores que mexem com o emocional e com a forma física, também não se pode esquecer a verdadeira revolução de hormônios pela qual passa ou o organismo feminino.
    Não é uma surpresa, portanto, que o cansaço e a ansiedade tragam como resultado a falta de interesse sexual, pelo menos durante algum tempo. A mulher, por seu lado, fica com a atenção totalmente absorvida por este novo ser que parece não estar disposto a dividir espaço com mais nada e ninguém. O homem, por sua vez, até então sempre mimado pela companheira, de repente é colocado em segundo plano e luta para se reajustar às demandas decorrentes da paternidade.
    A transição da situação de amantes para o novo papel de pais, não é, como muitos nos fazem acreditar, uma passagem fácil. Ao contrário, irá exigir do casal um grande esforço e um novo olhar em direção à vida, para resgatar aquele elo sublime de relacionamento que existia quando eram apenas os dois.
    Isso ocorre com a maioria dos casais, portanto, se você está nesta fase, não se sinta um extraterrestre: tenha em mente que vocês são simplesmente normais. E não tenha dúvidas de que como qualquer fase na vida, esta também vai passar.
    Na verdade, não há um tempo certo de retomar a atividade sexual após o nascimento do bebê. Isso vai depender muito do casal. Este período pode variar de seis semanas a 18 meses ou até mais.
    O importante é ter em mente que, independente do interesse do casal pelo sexo, o fundamental é restabelecer o relacionamento e cuidar para que o aumento de responsabilidades dos dois com o crescimento da família não destrua o canal de diálogo nem a cumplicidade do casal.
    Assim como na fase da gravidez, o período pós-parto também deve ser tratado como uma fase especialmente sensível e delicada. Que tal usar a imaginação e retomar aos poucos?
    Uma massagem com óleos terapêuticos feita pelo companheiro depois de um dia exaustivo funciona como um excelente a afrodisíaco.
    O beijo, a carícia, os toques certos nos lugares certos podem servir como preliminares por várias semanas, até que os dois estejam prontos para uma relação sexual completa. Exercícios eróticos ajudam o casal a restabelecer sua intimidade e a evitar o choque de acelerar dos 0 aos 100 quilômetros por hora num minuto.
    Cada casal encontra seu caminho, mas em alguns casos é essencial estabelecer um horário ou um dia da semana para que os dois consigam ficar sozinhos e conversar sobre temas que dizem respeito às suas vidas, suas necessidades emocionais, sexuais, etc.
    Lembre-se de que esta hora é sagrada e deve ser usada para falar SÓ de vocês dois. Você vai perceber que um período de ausência não vai fazer diferença na vida de seu filho, mas pode fazer maravilhas pelo seu relacionamento.
    A imaginação é outra grande aliada para reacender a chama: para isso há um imenso mercado de acessórios sexuais capazes de incrementar a vida dos casais mais liberados, ou daqueles que podem encontrar aí uma oportunidade para se livrar dos tabus e das repressões.
    Atenção: se nada disto funcionar, o melhor a fazer é procurar uma ajuda psicológica. Tudo é válido quando se trata de restabelecer a saúde emocional e sexual de seu relacionamento. E lembre-se de que nada vai adiantar se as bases que os levaram a formar uma família não forem sólidas. Acima de tudo, ambos devem estar plenamente comprometidos em resgatar a magia do primeiro encontro.

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Ser flexível é uma arte24/05/16 Dificilmente encontraremos alguma pessoa que tenha passado pela vida sem enfrentar algum tipo de perda. Quem já não perdeu um grande amor, um parente querido, um emprego, um amigo, a infância, a saúde... São situações capazes de nos trazer desconforto, dor e frustração. Nestes momentos as pessoas reagem e lidam com o problema de diferentes formas.......
    Quando a timidez atrapalha24/05/16 Existem fases em que seu filho pode estar mais ou menos tímido. É natural que uma criança de um ou dois anos seja mais atirada que uma de quatro anos. Isso acontece porque a menor não tem noção de perigo e, por isso,......
    Síndrome do Pânico e o medo de tudo24/05/16 Sem aviso prévio, você começa a sentir o coração bater acelerado, suor intenso, opressão no peito, tontura, falta de ar, boca seca e dor no estômago (ou algumas delas apenas). Em crises passageiras ou demoradas,......

    Voltar para Blog