Postado em 24 de Maio de 2016 às 14h06

    Os relacionamentos suportam as diferenças? (Raça, cultura, religião, etc)

    Gerais (41)

    Na maioria dos casos, diferenças dentro de uma relação são importantes. Porque se tudo fosse muito igual o casal entraria numa rotina extremamente danosa ao relacionamento. As diferenças também são importantes para que as pessoas aprendam a negociar, ceder, conversar e trocar.
    No entanto, em algumas relações, estas diferenças são tão grandes que impedem o casal de levar a história à diante. Então é preciso tomar cuidado porque as pessoas podem se ferir de forma muito intensa.
    Sou uma defensora do diálogo franco e aberto, da conversa honesta. Aquela conversa que é capaz de expor suas idéias sem precisar fazer rodeios ou omitir detalhes. Sem agressividade, sem rusgas, sem dores.
    Quando não expomos, vamos guardando e quando isso acontece nos distanciamos. Porque não falar para a pessoa que tanto gostamos o que sentimos? Infelizmente, por alguns motivos, isso não acontece na maioria dos casais.
    Precisamos encarar que as pequenas diferenças podem e devem ser negociadas, ex: um gosta de futebol e o outro de novela. Sim, as pessoas têm gostos diferentes. Precisamos entender, respeitar e nos acostumarmos com isso. As diferenças, nesse contexto, são inclusive interessantes para o relacionamento. É bom ter uma visão diferente sobre algo que você conhece, é bacana aprender a lidar com essas pequenas coisas.
    Mas e quando a diferença é maior? Quando ela sonhava desde criança em ser mãe e casar na igreja e ele já tem dois filhos de outra relação e não quer mais casar na igreja? Ou quando ele sonha em ir morar no ar tranqüilo da montanha enquanto ela não pensa em sair do burburinho da cidade grande? Ou quando as crenças religiosas são muito diferentes e um é católico e o outro islâmico?
    Não é possível simplesmente repetir frases que se costumava dizer no passado, como: o amor supera tudo. Isso não é verdade, é romântico, bonito, mas nem sempre é o correto. Existem alguns itens em nossa vida dos quais não podemos abrir mão, e se o fizermos cobraremos do outro uma dívida tão imensa que vai acabar com o amor.
    Há valores e sonhos que podem ser adaptados, alterados, deixados de lado ou até herdados de quem a gente ama e quer ver bem. Mas outros são tão intensos para nós que não podemos abrir mão deles. Evidentemente, se entre essas coisas tão impossíveis as conversas avançarem honestamente e houver condição de um pequeno acordo, as coisas poderão funcionar mesmo assim. As tentativas são sempre válidas e o que serve para um caso nem sempre servirá para outro.
    Se você está comprometido com essa causa, se você quer mesmo fazer isso dar certo, então tente. Não existe nada que uma conversa honesta não possa resolver. Mesmo que tenha uma lágrima aqui, um sorriso tímido ali. Afinal de contas, ninguém disse que era fácil manter um relacionamento, concorda? E se for algo que realmente não tiver solução, entenda isso. No final das contas, serão as pequenas coisas aquelas que farão toda a diferença no final do trajeto, e o desgaste que isso poderá ocasionar para a relação nem sempre vale à pena. Fechar os olhos para algumas coisas vai acabar sendo ruim, então se previna. Não cobre o que o outro não é capaz de fazer. Não coloque, nem a si nem ao outro, numa situação onde há tanta angústia que não sobra tempo para amar.


    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Quando a mentira vira um problema?24/05/16 Muitas vezes vista como inocente chacota das quais nenhum ser humano escapa, a mentira pode causar tragédias, lesar relações humanas – e contas bancárias. Segundo pesquisas neurocientíficas, mentimos cerca de 200 vezes por dia e uma vez a cada cinco minutos, em média. A estatística soa exagerada, mas parece apontar aos depoimentos nas CPIs do Congresso......
    Reprovação escolar, como lidar com ela?25/05/16 Poucas coisas são tão difíceis para a família quanto aceitar e conviver com a possibilidade de uma reprovação escolar. A idéia de “fracasso” tende a desestabilizar os pais. Não é......
    Socorro! Sinto-me sozinho na minha família24/05/16 “Eu me sinto sozinho na minha família. Eles não falam comigo e eu não consigo falar com eles. Quando falamos, brigamos, tenho medo ou desconforto de chegar perto, mas me ressinto por estar longe. Olho as famílias de meus......

    Voltar para Blog