Postado em 23 de Maio de 2016 às 17h34

    Qual é o papel da comunicação na vida conjugal?

    Casais (31)

    A comunicação é mais abrangente e complexa em nossa vida do que nos damos conta. Ao falarmos emitimos também as nossas preocupações, sentimentos, visão de nós e do outro. Além disso vale lembrar que a comunicação não se dá apensa de forma verbal, existem outras formas de nos comunicarmos como: gestos, expressões faciais, intransigência...e até o silêncio.
    No entanto vou me abster a comunicação verbal. Atrás de uma palavra ou expressão enviamos uma séria de mensagens, o outro que nos ouve vai compreende-la influenciado por seus pensamentos, sentimento e formas de percepção. Por isso muitas vezes falamos uma coisa e o outro compreende outra coisa.
    A comunicação quando conturbada pode levar um casal a situações pouco confortáveis e até mesmo a separação. Quando as pessoas se unem, namoram, casam e os diferentes tipos de união, ambas vêm de famílias diferentes que tem formas próprias de expressar o que sentem e pensam. Essas formas são absorvidas ao longo da vida com suas famílias e grupos de amigos e as pessoas já estão acostumadas a usa-las.
    Ao se relacionarem com seus parceiros no intuito do cultivo do amor e da vida a dois, o amor não serve como bengala se a comunicação está inadequada. Então se inicia o desencontro. Quando um fala o outro não ouve, um simples pedido soa como uma ordem, uma reclamação passa a idéia de insatisfação e desqualificação.
    São inúmeras as situações cotidianas onde a comunicação passa a ser utilizada como uma arma na luta de poder entre o casal levando-os a uma escalada de discussões estressantes e intermináveis, tornando-os tão envolvidos em saber quem está com a razão, impedindo desta maneira o cultivo do diálogo e do entendimento do significado desse para cada um, não observando como o outro o recebe. Assim, as pessoas em vez de dialogarem, buscam refúgio em meios como a tv, atividades domésticas, profissionais, filhos e até mesmo os amigos - como forma de nunca estarem só.
    Desta forma a relação já está contaminada pelo não dito e pelas frustrações e mágoas que cada parceiro acumulou. Neste momento, qualquer palavra, gesto, olhar ou atitude poderá contribuir para um círculo vicioso que se alimenta a cada movimento do casal, mantendo-se como uma dança que se constrói por anos, até ocorrerem fatos na vida que exijam do casal uma reorganização, podendo leva-los ao seu encontro ou desencontro.
    Se a comunicação conturbada adoece o relacionamento, os diversos rios que alimentam essa relação - como interesse mútuo, admiração, confiança, fidelidade, perspectiva de futuro, construção da felicidade, interesse sexual e amor - adoecem junto.
    Não pretendo dizer que o amor não resiste ao desgaste do cotidiano, mas sugerir que, com o passar do tempo, uma história de amor que não prioriza a boa comunicação pode acabar perdendo o brilho, criar tédio e afastamento, além de desencanto e desilusão. Mas não tem que ser assim.
    Fomos embalados por histórias de príncipes e princesas que marcaram nossa infância, acreditamos que o casamento é uma garantia de eterna completude ( estarmos completos) e que o encontro amoroso trará segurança de um afeto para sempre, sem perder jamais o brilho.
    Mas a construção do amor se faz a cada dia. Os perigos se renovam, mudam de aspecto. É preciso estar alerta para não se deixar seduzir pelas armadilhas. É necessário ser forte para não ser envolvido pela mesmice.
    O diálogo é rico na manutenção do vínculo amoroso e proporciona o respeito mútuo das características de cada um, o fortalecimento de suas afinidades, continuidade e qualidade da relação.

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Falta de desejo feminino, você conhece?24/05/16 Tenho recebido (em meus site) muitas perguntas sobre as disfunções sexuais femininas. Em meu consultório, muitos casais vem em busca de soluções para diferentes problemas nesta área, então, vamos conversar um pouco sobre o assunto. Hoje vou escrever um pouco sobre inibição do desejo sexual feminino. Não são apenas as mulheres que......
    Mimar filhos... Um ato de amor?24/05/16 Na maioria das vezes, a simples perspectiva de gerar um filho já enche os futuros pais de alegria e amor. Esses pais passam a cultivar a idéia de serem os provedores e guardiões deste pequeno ser. Para aqueles que decidem investir nesta......
    Você tem medo de que?24/05/16 O medo é uma emoção básica que nos permite a sobrevivência, visto que ajuda a nos defenderemos dos perigos reais. Nascemos com medo, os bebês se assustam diante do que sai da rotina e choram, algumas crianças......

    Voltar para Blog