Postado em 24 de Maio de 2016 às 17h27

    Socorro, sou uma pessoa infeliz!

    Ansiedade e depressão (6)

    A maioria de nós conhece, tem ao seu lado ou próximo de si, pessoas queixosas. Pode ser o irmão, o avô, um amigo distante, um colega da universidade, etc. Para uma simples pergunta: “como tem passado?” ouve-se uma série de dificuldades e problemas que a pessoa tem, está passando ou pensa que pode passar. Ainda assim, somos uma sociedade otimista, se não otimista, ao menos acomodada. Mas vivemos o paradigma e o estigma da felicidade, buscamos ela de forma incessante, ainda que algumas vezes de forma pouco adequada.

    E quando olhamos em nossa volta encontramos histórias de vida surpreendentemente distintos – sim, todos conhecemos também pessoas resilientes, que foram capazes de ultrapassar grandes adversidades na vida e que desafiam diariamente o jogo das probabilidades; se não estão ao nosso lado, já tivemos o prazer de ver na televisão ou de ouvir de outras pessoas. Mas também conhecemos pessoas que aparentemente têm tudo para serem felizes e que, para nosso espanto, não o são.

    Aqui não me refiro ao queixoso, aquele descrevi no primeiro parágrafo, e sim àquelas pessoas que se queixam por tudo e por nada e que permitem que a amargura tome conta de si. Refiro-me àquelas que tantas vezes levam vidas exteriormente normais e que, numa análise mais profunda, se assumem como infelizes desde sempre.

    Algumas pessoas são incapazes de reconhecer períodos de felicidade no seu percurso de vida. Olham para trás e não veem nada além de cansaço, sofrimento, melancolia e tristeza. Não há alegria, não há força, não há ambição, não há vontade, desejo, objetivos. Muitos destes casos não chegam sequer aos consultórios de psicologia porque as pessoas aprendem a viver assim, adaptando-se a estes estados emocionais, mantendo os respectivos empregos e demais compromissos e sendo vistas pelos outros como “normais”. Estas pessoas não vivem. Existem. Não vibram, não se empolgam, não tem grandes planos...se empurram, com dificuldade. Cada dia é um “leão vencido” como algumas relatam. E isso tem muito pouco de bom.

    Pessoas que tem ausência bem estar e felicidade geralmente são pessoas que tem um transtorno depressivo que muitas vezes é negado pela própria pessoa e também por seus familiares, ainda que isso fique evidente no dia a dia. Mas como em muitos destes casos a depressão é crônica, podendo estar presente desde a infância, não existe um ponto de comparação para lembrar o antes e depois. A pessoa acha que está fazendo o que pode para lidar com os problemas, nas não está. Simplesmente porque não sabe como fazer, porque não sabe que tem um problema, acostumou-se a viver desta forma, imagina que a vida é assim mesmo. Algumas destas pessoas tem doenças constantes. Outras simplesmente não se importam...sobrevivem.

    Na maioria dos casos bastaria uma exposição clara e honesta em um consultório médico para que este encaminhasse o paciente a um especialista. Ainda temos pudor na abordagem clínica das dificuldades de natureza afetiva e emocional. Os médicos estão, de um modo geral, sensibilizados e preparados para lidar com a depressão e as suas diferentes manifestações, mas muitos doentes camuflam o seu estado emocional.

    Ainda que o clínico geral possa realizar o acompanhamento médico e farmacológico da depressão, a avaliação rigorosa (e possível identificação de perturbações associadas ao transtorno depressivo) pode depender de uma consulta de Psiquiatria. O psiquiatra não é “médico de louco” como muito pensam e falam. É alguém preparado para lidar com problemas da mente. E a depressão é um desses problemas, seja esta depressão hereditária, familiar ou seja lá a denominação que tiver, assim como a ansiedade e tantos outros. Em qualquer caso, estas dificuldades são normalmente tratadas com a medicação antidepressiva e a Psicoterapia (tratamento com o psicólogo). Porque os dois? Porque o psicólogo ajuda, com o diálogo, a visualizar caminhos novos onde antes parecia não existir nada. Orienta formas de lidar com cada situação que não pode ser modificada, também orienta a família que vai precisar ajudar a pessoa doente. A ajuda existe. O que há a perder em dar o primeiro passo? Nada, a não ser a tristeza, que esta sim, precisa ir embora de vez.

    Por Ieda Dreger

    Veja também

    O que você sabe sobre anorexia?24/05/16 Há bem pouco tempo, estava no consultório de um amigo meu, aguardando-o terminar seu trabalho para irmos a uma palestra. Peguei então, uma dessas revistas comuns em salas de espera, e fui folheando. Deparei-me com uma reportagem que falava sobre a anorexia da filha da rainha Silvia da Suécia.. Lembrei-me que anteriormente tinha sido veiculada uma notícia sobre a anorexia da......
    Como desenvolver a autoestima infantil25/05/16 A opinião que a criança tem de si mesma está intimamente relacionada com sua capacidade para a aprendizagem e com seu rendimento. O autoconceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os......
    Você sabe dizer não?24/05/16 Se não sabe, está na hora de aprender! Poucas são as pessoas que têm facilidade de dizer não quando alguém lhes pede alguma coisa. Por receio de parecerem egoístas ou grosseiras, elas seguem deixando-se......

    Voltar para Blog