Postado em 25 de Maio de 2016 às 09h16

    Como desenvolver a autoestima infantil

    A opinião que a criança tem de si mesma está intimamente relacionada com sua capacidade para a aprendizagem e com seu rendimento. O autoconceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros.

    Se os pais estão sempre opinando a partir de uma perspectiva negativa para os filhos, e estão sempre taxando-os de inúteis e incapazes, ou usando de zombarias e ironias, irá se formando neles uma imagem "pequena" de seu valor. E se com os amigos, na rua e na escola, repetem-se as mesmas relações, teremos uma pessoa com autoestima baixa. Da mesma forma se os pais são aqueles que fazem tudo pelo filho, não dão a ele a oportunidade de ver que pode fazer, que tem capacidade. Isso também prejudica sua autoestima.

    Como então desenvolver a autoestima infantil?
    Quando a criança tem êxito no que começa a confiar em suas capacidades. E quanto mais acredita que PODE FAZER, mais consegue.
    É importante ensinar à criança que ela pode fazer algumas coisas bem, e que pode ter problemas com outras coisas. E que esperamos que faça o melhor que puder.

    Também é uma boa ajuda admitirmos nossos próprios erros ou fracassos. Ela precisa saber que também nós não somos perfeitos : "Sinto muito. Não devia ter gritado. Fiquei o dia todo chateado."

    Para ajudá-la a criar bons sentimentos é importante elogiá-la e incentivá-la quando procura fazer alguma coisa, fazendo-a perceber que tem direito de sentir que é "IMPORTANTE", que "pode aprender", que "consegue" e que sua família lhe quer bem e a respeita. O cuidado reside em adequar as tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, como colocar o suco no copo (ainda que derrame), a roupa (mesmo do avesso), a jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, as peças do jogo, ajudar na arrumação dos seus livros, fitas de vídeo, enfim, solicitar a ajuda da criança, partilhando com ela pequenos afazeres, vale até aplausos às suas conquistas.

    Portanto, estabeleça metas realistas e adequadas a idade de seu filho. Dê-lhe oportunidade de desenvolver-se sem super protegê-lo ou sem pressioná-lo, nem compará-lo com outras crianças.

    Assim, ele formará um conceito positivo de si mesmo. E para desenvolver esse sentimento, estimule-o quando ele sentir que não tem condições de realizar algo. Talvez tenha de dizer-lhe : "Claro que você pode. Vamos, vou te ajudar."

    .....A criança com autoconceito positivo oferece contribuições significativas e valiosas para o grupo e para a própria formação.

    Uma palavra final...
    .....Sem autoestima, dificilmente a criança enfrentará seus aspectos mais desfavoráveis e as eventuais manifestações externas. Já a criança com auto conceito positivo parece mais ativa; tem facilidade em fazer amigos, tem senso de humor, participa de discussões e projetos, lida melhor com o erro, sente orgulho por contribuir e é mais feliz, confiante, alegre e afetiva.

    Neste sentido, os sentimentos devem ser tão bem demonstrados quanto são ensinados. Este é o segredo para um bom começo de vida. Ensinará a criança a enfrentar a vida. O orgulho, quando não é excessivo, contribui para o desenvolvimento da autoestima.

    E convém relembrar que a autoestima mantém uma estreita relação com a MOTIVAÇÃO ou o interesse da criança.

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Falta de desejo feminino, você conhece?24/05/16 Tenho recebido (em meus site) muitas perguntas sobre as disfunções sexuais femininas. Em meu consultório, muitos casais vem em busca de soluções para diferentes problemas nesta área, então, vamos conversar um pouco sobre o assunto. Hoje vou escrever um pouco sobre inibição do desejo sexual feminino. Não são apenas as mulheres que......
    Não tenha vergonha de ter medo24/05/16 MEDO palavrinha conhecida de todos nós, quem já não teve medo de algo? Inúmeras pessoas sofrem com seus medos, mas poucas são capazes de admiti-los, principalmente para não se sentirem infantis ou ridículas.......
    Discussão de casal, quando e como parar23/05/16 A grande maioria dos casais tem discussões e elas são bastante importantes numa relação. Mas existem aquelas discussões que se tornam muito agressivas, fortes e que nem trazem a tona o assunto mais importante, e sim ataques......

    Voltar para Blog