Postado em 25 de Maio de 2016 às 09h13

    Erotização infantil, como lidar?

    Durante anos, grupos de axé formados por um vocalista e bailarinas vestidas com pouquíssima roupa e altas doses de sensualidade na coreografia eram garantia de legiões de espectadores. De alguns meses para cá a coisa piorou, e muito: o funk que tomou conta dos meios de comunicação com letras de música absolutamente impróprias para crianças, vulgarizando o sexo e banalizando a relação afetiva entre homem e mulher.

    A atitude vigilante dos pais frente ao exagero mostrado na TV é o caminho correto para educar a criança e desenvolver seu senso crítico. Erotização não é privilégio dos grupos de axé ou funk: está na vida dos pequenos, no relacionamento dos adultos e no que a sociedade prega.

    É imitando os pais que os filhos aprendem a falar, a andar e a se comportar. Quando o universo deles se expande, por meio das escolas, festas, televisão, música e amigos, os modelos de comportamento bons e ruins começam a interferir na educação que receberam. Quando são bem estruturados, eles aprendem a separar o joio do trigo. Segundo Andréia, mãe de Felipe, de cinco anos, que desde cedo estimulou o filho a assistir aos programas infantis da TV cultura, percebe que o menino, ao contrário de seus amiguinhos, demonstra total desinteresse por tudo o que foge à programação inadequada para a sua idade.

    A sexualidade atinge a meninada desde cedo, mas o que deflagra a excitação muda de criança para criança. A construção de troca afetiva, que se traduz no beijo na boca, nas carícias mais íntimas, nas cenas de sexo a que a programação televisiva os expõe, deve ser cuidadosamente monitorada para que eles não recebam estímulos que não tenham condições de entender.

    O conceito que os pequenos terão de seus futuros parceiros dependem muito do que eles aprenderem desde bem cedo: se o menino pequeno vê seu modelo, o homem adulto, referir-se a mulher de forma agressiva e desrespeitosa pensará, provavelmente, que esta é a forma correta de agir. A menina mal orientada, por sua vez, corre riscos de vir a se portar como as dançarinas que vê na televisão, assumindo posturas de mulher feita, utilizando o corpo para conquistar seus objetivos.

    Os resultados da erotização precoce são desastrosos. Relacionamentos fracassados pela falta de respeito mútuo e pelo pouco cuidado com afeto são apenas alguns deles. Envolver a criança nos valores da família é a chave para uma boa estruturação moral e ética. A maneira como a criança vê a sexualidade dependem muito de como os pais se posicionam a respeito.
    Não há dúvida de que abandonar a criança em frente à televisão é uma conduta condenável. Se os pais se derem ao trabalho de selecionar a programação, estarão demonstrando carinho e preocupação pelos filhos, ensinando a eles o que é bom e o que é ruim.

    Quer dizer, então, que a responsabilidade é todinha dos pais? Não. A mídia também precisa assumir o seu papel, colaborando com uma programação educativa e de qualidade. Uma pesquisa feita em São Paulo, mostra que ninguém quer a volta da censura, mas sim a conscientização dos responsáveis pela programação televisiva, levando em conta o compromisso com a cultura e a formação dos indivíduos.

    O importante é que você saiba o que seu filho está fazendo durante o dia para que você tenha formas de verificar o comportamento dele. Se você perceber que alguma coisa está inadequada procure um profissional especializado que possa lhe ajudar.


    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    A difícil arte de educar nos dias atuais25/05/16 Educar é um assunto corrente em consultório de psicologia. A necessidade de colocar limites é sempre muito questionada, tanto pelos filhos como entre os novos e dedicados pais. Muitas pessoas viveram em sua própria educação a experiência de duros limites, constituídos em regras e proibições. Autoridade era misturada com Autoritarismo, a sabedoria......
    Você sabe dizer não?24/05/16 Se não sabe, está na hora de aprender! Poucas são as pessoas que têm facilidade de dizer não quando alguém lhes pede alguma coisa. Por receio de parecerem egoístas ou grosseiras, elas seguem deixando-se......
    Quando a timidez atrapalha24/05/16 Existem fases em que seu filho pode estar mais ou menos tímido. É natural que uma criança de um ou dois anos seja mais atirada que uma de quatro anos. Isso acontece porque a menor não tem noção de perigo e, por isso,......

    Voltar para Blog